quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Um pouco a se pensar...

A sociedade atual, inserida em um mundo tão moderno e globalizado, nos apresenta novas exigências: máquinas mais rápidas, informações de qualquer parte do mundo chegando a nossas casas em questão de segundos e nossas crianças e jovens pertencendo a essa nova era, a era digital.
E chegamos à escola... Um ambiente com classes, quadro-negro, salas, giz, pátio e pulsando vida. Nossos pequenos encontram (deveriam encontrar) na escola um lugar para socialização, para desenvolver autonomia, responsabilidades, construção de saberes. Pensar na escola nesse contexto atual é perceber o quão distantes ainda estamos do cotidiano, dos conhecimentos prévios de nossos educandos, das necessidades e exigências desse mundo virtual. A insistência por uma educação tradicional, por um ensino tecnicista e por uma formação fragmentada dos sujeitos deixa evidente a urgente necessidade de se repensar esse espaço chamado escola.
Nesse aspecto, percebo que as tecnologias de informação e comunicação (TIC) podem (e devem!) ser utilizadas nas escolas, como mecanismos fundamentais na construção de conhecimentos. Uma de nossas certezas é que o mundo virtual “[...] desafia métodos e tradições acadêmicas em relação à produção de conhecimento e à pesquisa.” (GUTIERREZ, 2003, p. 94). Espaços como os weblogs possuem particularidades e potencialidades inimagináveis no processo de aprendizagem dos sujeitos. O weblog oportuniza interações constantes entre sujeito e objeto, entre sujeito e sujeito e, por conseqüência, entre sujeito e conhecimento. Com toda certeza é um ambiente virtual rico de aprendizagens, onde redes de conhecimento são construídas, desenvolvendo a autonomia, o comprometimento, a responsabilidade e a cooperação dos “blogueiros”.

Inserir-se na sociedade da informação não quer dizer apenas ter acesso à
tecnologia de informação e comunicação (TIC), mas principalmente saber utilizar
essa tecnologia para a busca e a seleção de informações que permitam a cada
pessoa resolver os problemas do cotidiano, compreender o mundo e atuar na
transformação de seu contexto. (ALMEIDA, 2005, p. 71).


Nossas crianças estão continuamente construindo redes de conhecimento: interagem umas com as outras, exploram objetos, utilizam o imaginário (brincam, por exemplo, de “mamãe e filhinho”) para lidar com situações cotidianas, exercitam e constroem sua autonomia e cooperação, etc.. É por isso que as TIC são bem-vindas no ambiente escolar, pois esse mundo virtual caminha junto com o desenvolvimento de nossos pequenos, tornando-se essencial em suas formações e construções de redes de conhecimento.
Acredito que seja essa, atualmente, nossa primordial missão como educadores: inserir-se e apropriar-se dessa sociedade digital virtual com o desejo, a ousadia e a esperança de que a educação seja de qualidade e forneça recursos pertinentes à construção de conhecimentos significativos para esses futuros cidadãos!

Para saber mais sobre o assunto, acesse:

http://www.seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/viewFile/4958/2933

http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/2sf.pdf

Um comentário:

Daiana Trein εїз disse...

Julia, esta reflexão sobre a apropriação pelo professor, do uso das tecnologias, é fundamental. Afinal quem são nossos alunos? Os nativos digitais!

Além de ser essencial para a vida profissional, é também uma possibilidade de potencializar a aprendizagem, pois as ferramentas ajudam na construção da autonomia, colaboração e cooperação, como você ressaltou!